IGP-10 recua 0,69% em agosto ante alta de 0,60% em julho



rn

O Índice Geral de Preços – 10 (IGP-10) recuou 0,69% em agosto, após ter aumentado 0,60% em julho, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV) nesta quarta-feira. O resultado anunciado ficou dentro das estimativas dos analistas do mercado financeiro ouvidos pelo Projeções Broadcast, que esperavam uma queda desde 1,03% a 0,28%, com mediana negativa de 0,63%.

rn

Quanto aos três indicadores que compõem o IGP-10 de agosto, os preços no atacado medidos pelo IPA-10 tiveram redução de 0,65%, ante uma alta de 0,57% em julho. Os preços ao consumidor verificados pelo IPC-10 apresentaram queda de 1,56% em agosto, após o avanço de 0,42% em julho. Já o INCC-10, que mede os preços da construção civil, teve alta de 0,74% em agosto, depois de subir 1,26% em julho.

rn

O IGP-10 acumulou um aumento de 8,43% no ano. A taxa em 12 meses ficou em 8,82%. O período de coleta de preços para o indicador de agosto foi do dia 11 de julho a 10 deste mês.

rn

As quedas nos preços da gasolina (-16,88%), passagem aérea (-28,95%), energia elétrica (-4,14%) e etanol (-10,82%) puxaram a deflação ao consumidor medida pelo IGP-10.

rn

Cinco das oito classes de despesa do IPC-10 registraram taxas de variação mais baixas: Transportes (de -0,41% em julho para -5,71% em agosto), Educação, Leitura e Recreação (de 1,52% para -5,75%), Habitação (de 0,07% para -0,52%), Alimentação (de 1,48% para 0,99%) e Vestuário (de 0,80% para 0,44%).

rn

As principais contribuições para o movimento partiram dos itens: gasolina (de -1,49% para -16,88%), passagem aérea (de 6,99% para -28,95%), tarifa de eletricidade residencial (de -1,45% para -4,14%), carnes bovinas (de 0,27% para -0,65%) e roupas (de 0,99% para 0,36%).

rn

Na direção oposta, os grupos Saúde e Cuidados Pessoais (de 0,24% para 0,57%), Comunicação (de -0,79% para -0,31%) e Despesas Diversas (de 0,22% para 0,32%) apresentaram acréscimo em suas taxas de variação. As maiores influências partiram dos itens: artigos de higiene e cuidado pessoal (de -1,34% para 0,36%), combo de telefonia, internet e TV por assinatura (de -1,79% para 0,39%) e cigarros (de 0,68% para 2,65%).

rn

Commodities

rn

As quedas nos preços de commodities puxaram a deflação no atacado que integra o IGP-10 de agosto, informou a FGV. “Os números do IPC (Índice de Preços ao Consumidor) ainda repercutem a redução do ICMS para energia elétrica e gasolina, efeito que deve perder força ao longo do mês de agosto”, afirmou André Braz, coordenador dos Índices de Preços do Instituto Brasileiro de Economia da FGV (Ibre/FGV), em nota oficial. Já para o IPA (Índice de Preços ao Produtor Amplo), importantes commodities sustentam a queda do indicador, com destaque para minério de ferro (-5,93% para -11,09%), soja em grão (-0,78% para -2,14%) e café em grão (3,99% para -2,25%). Em sentido ascendente, os movimentos mais relevantes ocorreram nos seguintes itens: leite in natura (7,91% para 14,45%), aves (-0,73% para 1,92%) e cana-de-açúcar (-0,93% para 0,31%).

rn

Construção

rn

A alta mais branda no custo da mão de obra e dos materiais de construção desacelerou a inflação do setor dentro do IGP-10. Dentro do INCC-10, o índice que representa o custo de Materiais, Equipamentos e Serviços saiu de um aumento de 0,88% em julho para uma elevação de 0,38% em agosto. Os gastos com Materiais e Equipamentos tiveram alta de 0,34% em agosto, enquanto os custos dos Serviços tiveram elevação de 0,60% no mês. Já o índice que representa o custo da Mão de Obra passou de uma alta de 1,67% em julho para um aumento de 1,13% em agosto.

rn

IPAs

rn

Os preços agropecuários mensurados pelo IPA Agrícola subiram 0,19% no atacado em agosto, após uma alta de 0,16% em julho. Já os preços dos produtos industriais medidos pelo IPA Industrial tiveram queda de 0,98% este mês, depois da elevação de 0,73% no atacado em julho.

rn

Dentro do Índice de Preços por Atacado segundo Estágios de Processamento (IPA-EP), que permite visualizar a transmissão de preços ao longo da cadeia produtiva, os preços dos bens finais tiveram redução de 0,27% em agosto, ante uma elevação de 0,99% em julho. Os preços dos bens intermediários subiram 0,19% em agosto, após alta de 1,59% no mês anterior. Já os preços das matérias-primas brutas recuaram 1,90% em agosto, depois da queda de 0,91% em julho.

rn
rn
facebook sharing button
rn
twitter sharing button
rn
whatsapp sharing button
rn
messenger sharing button
rn
print sharing button
rn
 
rn
rn
rn
rn
rn
email sharing button
rn
rn

18 de agosto de 2022

Receba por email nossas novidades e fique por dentro

4009-0000

Telefone


fecomercio_rn
prefeitura_do_natal
viva_o_centro
odont
unimed_natal
start
cosern
vox2you
bwa__global
sesc
senac
quant_capital
governo_do_estado
96fm
artec
sebrae
sicoob
aeba
jvm
rapport
rede
plugtech